segunda-feira, 20 de abril de 2009

Balança desfavorável

Recentemente resolvi montar no meu Ipod uma playlist de músicas homenageando mulheres ou com mulher como motif principal. Muito bem, nesse processo uma coisa me chamou atenção: a quase inexistência de músicas compostas por mulheres inspiradas em homens. A única que lembrei foi a maravilhosa La vie en rose, de Edith Piaf. Se vocês lembrarem de outras, me digam, por favor.

Anywho... Vai aí o meu top ten músicas de mulheres:

1. Beatles - Michelle
2. Jimi Hendrix - Foxy Lady
3. Zé Ramalho - Mulher nova, bonita e carinhosa...
4. Tom Jones - She's a lady
5. Chris Cornell - Billie Jean
6. Refrão de bolero - Engenheiros do Havaii
7. Stevie Wonder - Isn't she lovely
8. Roy Orbison - Oh, pretty woman
9. Cake - Short skirt, long jacket
10. Ultraje a rigor - Eu gosto de mulher

Pra ser justo vale ressaltar que mulheres inspiram bem mais e melhor que homens. Não é à toa que as musas eram todas do sexo feminino. (Esses gregos sabiam de tudo mesmo)

Por outro lado... isn't the beauty in the eye of the beholder??

Impressionante!

Esse é um vídeo que eu já tinha visto há muito tempo e que me deixou boquiaberto. A voz e o talento desse cara, principalmente nesse vídeo em que ele está sozinho, acapella, são espantosos. É de arrepiar.


segunda-feira, 13 de abril de 2009

Nothing further, your honor



I rest my case.

Hope, rope


"A esperança é boa pra manter nossa frustração sempre viva."

Carlos A. C. Peroni


Ziriguidum

Durante muito tempo fui um cara averso ao samba, até que uma pessoa muito especial me reapresentou o ritmo e me ensinou a gostar.
Porém, dos sambas, acho que esse é o meu predileto. Samba enredo da Imperatriz Leopoldinense de 1989 "Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós". É um samba enredo daqueles que não se fazem mais, uma verdadeira aula de história. Uma pérola que sempre me deixa arrepiado sempre que ouço.
(essa versão foi a melhor que achei no iutubi, mas a minha preferida é a versão do disco de sambas enredo do ano. Quem sabe procurar acha na net)

It's a kind of magic


É incrível o poder da música. Como ela pode te levantar o espírito, te acompanhar na hora da dor, jogar gasolina na sua fúria assim como te relaxar totalmente.

Ontem, por exemplo, eu me encaminhava pro trabalho com aquele espírito típico de segunda-feira, desanimado e mau-humorado. Aí começou a tocar no meu som It’s raining again, do Supertramp. Antes que eu me desse conta eu já estava cantando junto, feliz.

Há um tempo atrás, por influência de minha então namorada, eu inventei de começar a correr, pra me exercitar, ganhar fôlego. Diga-se de passagem que eu nunca tive o hábito nem gostei de correr. Pois então, a única coisa que tornou a corrida uma coisa suportável pra mim foi a música. Pra que se interessar vai aqui a setlist que eu preparei pra colocar o pé na esteira.

1. Time to start – Blue man group
2. Run – Gnarls barkey
3. Fergalicious – Fergie
4. Before I forget – Slipknot
5. Pump it – Black eyed peas
6. Dare – Gorillaz
7. The rockafeller skank – Fatboy slim
8. Going on – Gnarls Barkley
9. Spybreak(short one) – propellerheads
10. Sex type thing – Stone temple pilots

De tempos em tempos vou publicar por aqui setlists bons para um determinado humor ou atividade, segundo minha humilde opinião.


“Quem canta reza duas vezes.”
Dito popular

Atrium... Vestibulum...


Esse é um poema que eu fiz nos idos de 96, quando estava fazendo cursinho pré-vestibular e estava apaixonado por uma amiga. O poema é muito mal do século e tenho até um pouco de vergonha dele. Mas o filho é meu e eu tenho que assumir...então lá vai.


Amor de vestibulando

Carlos A. C. Peroni


Eros me atirou uma flecha que
Após breve movimento obliquo
Acertou meu miocárdio
Traçando um estranho vetor
Cuja resultante apontava pra você.

Num intervalo de tempo desprezível
Me veio a idéia de lhe mandar fanerógamas
(que fazem fotossíntese mas também respiram)
Mas como em meu peito se encontra
O palco de uma Revolução Gloriosa
Essa idéia foi suprimida pelas forças
De extrema direita da timidez

Quero compartilhar elétrons contigo
Num beijo elevado à enésima potência
Mas me apresento como gás nobre
(não reajo com ninguém)
E nosso amor aparece
Como que dividido por zero

E nestes segmentos de reta
Onde exponho meus sentimentos
Cheios de barbarismos e erros de sintaxe
Me lembro do romantismo
Com seus poetas jovens e tuberculosos
Será isso mal de quem ama?

Cof!

Mas apesar dos tectonismos desse amor
Acredito que, como linhas paralelas,
Nos encontraremos no infinito.

Mas é melhor não pensar nisso agora,
Tenho que estudar pro vestibular.


P.S. Pra quem ficou curioso, mesmo com o poema (talvez por causa dele) a menina não quis nada comigo.

C’est domage...

Receita de riso rápida e fácil

Essa é pr'aqueles dias que você por alguma razão está p*to(a) da vida, querendo esmurrar o primeiro que passar na sua frente. Também vai bem num dia em que você estiver deprimido.
Siga passo-a-passo a receita e lhe garanto no mínimo um sorriso.
1. Imite uma galinha (é facil! Tente pópópó...)
2. Fica melhor se você der uma desafinada, principalmente no final da "frase" (e.g. pópópó...pócóóóó!)
3. Conseguiu? Muito bem! Agora lembre-se da Cavalgada das Valquírias, de Wagner. Se você não se lembrar, aqui vai um vídeo pra quem não se lembra ou não conhece.

4. Bom, Agora você vai cantar a música com a sua "voz de galinha". Pra ser mais específico você vai substituir os metais da sinfonia.
Pronto! Pra acompanhar e dar um toque especial na receita, procure se imaginar numa situação grandiosa (combate, discurso, etc...) vestido(a) de galinha.
Boas risadas!

"Angel fly because they take themselves lightly."
G.K. Chesterton

I roam, therefore I am...


The Journey

Carlos A. C. Peroni

Yes, my journey through the underworld is over
It was a dark time, I was confused, dizzy
I walked amongst the dead, tried to talk with them
Unsuccessfully, of course.
But do not be mistaken, I was not condemned
At least not by anyone other than me.
I took the journey willingly, as everybody does
I paid my dues,
And god knows they were long overdue

Even though it was a lonely path
I wasn’t alone all the time
I’ve had my companions, few, but priceless
Specially in the end, When I’ve had my Moon,
Guiding me through the darkness
I fell for her,
and she taught me a great deal o’ things
But, being the Moon, she belongs in the distance
And our paths went separate…

Now, a new dawn is coming
I can see it’s eyelashes moving
May it come, and be welcomed
For a new day is coming.