segunda-feira, 25 de maio de 2009

Need for speed

Recentemente fiz uma viagem de carro e fiquei impressionado com o estado mental que desenvolvi na estrada. Um transe obsessivo que chegou a dar medo. Inspirado nisso escrevi essa poesia. Pra embalar a leitura vai o clip de My favorite game, do The Cardigans, que vai bem a calhar.


Na estrada nada importa
O desejo é chegar
Aonde não interessa mais
O volante vibra em minha mão
O ponteiro do acelerador se inclina
Aponta pro meu coração
Meu carro devora o asfalto à minha frente
Não importa
Sempre há mais
De meio a estrada se torna fim
O resto é secundário
O resto é incomodo
Não há fome
Não há sede
Dor não há mais
Só existe a estrada
Quilometro a quilometro
Ultrapassagem a ultrapassagem
Cada uma é uma batalha
Numa guerra sem fim
O sol se põe, a noite cai
O sol agora são meus faróis
E eu, arremedo de Apolo moderno,
Guio minha carruagem através das trevas
Meus olhos ardem
Não importa
Eu continuo
A estrada continua...

sexta-feira, 15 de maio de 2009

“Door’s open, bed’s made. Welcome home.”



O soneto que segue consta numa placa de bronze no pedestal da estátua da liberdade, inspirador...

Not like the brazen giant of Greek fame,
With conquering limbs astride from land to land;
Here at our sea-washed, sunset gates shall stand
A mighty woman with a torch, whose flame
Is the imprisoned lightning, and her name
Mother of the Exiles. From her beacon-hand
Glows world-wide welcome; her mild eyes command
The air-bridged harbor that twin cities frame.
"Keep, ancient lands, your storied pomp!" cries she
With silent lips. "Give me your tired, your poor,
Your huddled masses yearning to breathe free,
The wretched refuse of your teeming shore.
Send these, the homeless, tempest-tost to me,
I lift my lamp beside the golden door!"
Emma Lazarus


Ninguém diz "Seja bem vindo" tão bem quanto uma mulher.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Nelson Rodrigues à L'americana



Interessante ver nesse clip da lindíssima Rihanna uma temática tão explorada pelo nosso dramaturgo brazuca.

Interessante ver também como a coisa fica mais insinuada e suave numa perspectiva feminina.