sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Tem que ter culhão!


Não é fácil, mas é necessário. Pelo menos algumas vezes na vida. Alguns tentam ser mais educados, falam “ Tem que ser Homem” ou “Tem que ser macho”, mas a idéia é a mesma, e todas as expressões são errôneas. Errôneas porque não é uma exclusividade masculina. Não é raro ver mulheres com muito mais culhão do que a maioria dos machões à sua volta.
Mas o que é ter culhão?
Uma resposta simples a essa pergunta seria “ter coragem”, mas na verdade o buraco é mais embaixo...
Não é só ter coragem, é ter coragem de se impor no mundo, de assinar embaixo as coisas que você faz. Se alguma coisa dá errado e é culpa sua, quem é macho tem que assumir responsabilidade e encarar a punição, não ficar inventando desculpas ou colocar a culpa em outros.
Outra faceta de ser macho, talvez a mais importante, é a de sustentar o seu desejo. Mas o que vem a ser isso?
Sustentar o desejo é você ir atrás do que você quer. Isso é bem mais complicado do que parece à primeira vista. Primeiro é preciso descobrir o que você quer. E esse você é você mesmo! Não seus pais, seus amigos, seu cônjuge ou a sociedade. É fácil se confundir com isso, muitas vezes você tem certeza que quer alguma coisa, então quando finalmente consegue nos vêm uma sensação de vazio, e você se dá conta que realizou um desejo de seu pai, ou conseguiu uma coisa que seus amigos valorizam, mas você mesmo(a) não dá muito valor.
Já dá pra perceber que tem muito machão por aí que não é tão macho assim.
Depois é preciso batalhar pelo que você quer. Eu penso que o problema aí é que seu desejo NÃO É uma decisão lógica. Não é o emprego que paga mais, não é a garota mais bonita, nem a mais bacana. Pode até não ser uma garota. (leitoras por favor invertam o gênero, se necessário) Muita gente pensa que nesse desejo há um quê de autodestruição intrínseco. Não concordo muito com isso. A autodestruição normalmente é um meio do caminho. Você não cede ao desejo do outro, mas também não vai atrás do seu.
Complicado né?
Enquanto vocês matutam sobre essa idéia vamos descontrair um pouco...
Sempre fui fã do Ultraje a rigor, particularmente do Roger Moreira. Ele consegue colocar em suas letras coisas simples e importantes de nossa vida, fazendo sempre uma crítica ácida e bem-humorada. Sobre o assunto em questão temos a música “Ah, se eu fosse homem” que retrata bem o que quero dizer e dá um arremate rock&roll pra este post.

Um comentário:

Ivete disse...

Olá. Na verdade, agora vou ser "muito mulher" pra dizer que da foto não gostei não, mas adoro a forma como falas das coisas.Tenho te visitado e já levei teu link porque gosto da tua forma de falar!

Grande abraço