quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Better to reign in hell...

Poema forte. E interpretação primorosa.


"É difícil encontrar quem não queira vender sua alma ao diabo."

Che Vuoi?

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Burn, Baby, burn

Esse momento no show do Metallica me inspirou a escrever essa poesia. Eu estava perto de um dos lança-chamas e a sensação de poder e medo que sentia quando eles disparavam a cada vez que se gritava “FIRE!” é difícil de se por em palavras.


FIRE

Once upon a time
Fire was the name of a god
and people cowered in awe
upon his presence


And every now and then
when we approach a large bonfire
or something just burst into flames near us
our instincts remind us


And we get caught empty staring
our eyes lost in the fire
and the fire burning in our eyes
fear and attraction living together


The flames you see today
are but minor shades
sparks of his power
they lead you to believe he’s tamed


But nothing could be farther from the truth
he constantly watches us from his fiery throne
he demands sacrifice
and his hunger knows no bounds


So, we’d better follow the flames
and dance, and burn, bright and high
for it pleases Fire, the god


We’re all destined to ashes
but ‘till then we’re fire
and we can choose how to burn

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Over troubled waters


Communicating is like building bridges. Have you ever tried to build one? It's really hard! It's not just a plank over a stream, it demands planning and engineering skills... and lots of hard work. As far as communicating you can build bridges with words, looks, gestures... and paying attention, don't forget to pay attention! Well, I didn't make your live easier, but at least now you know what it takes. Oh, and think twice before burning any bridges.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Like a prayer

 Este é um trecho do livro Grapes of Wrath, de John Steinbeck, que eu achei belissímo.
A cena é de uma delicadeza!

“I ain’t a preacher,” he said softly. “My prayers ain’t no good.”
She moistened her lips. “I was there when the ol’ man died. You said one then.”
“It wasn’t no prayer.”
“It was a prayer,” she said.
“It wasn’t no preacher’s prayer,”
“It was a good prayer. I want you should say one for me.”
“I don’t know what to say.”
She closed her eyes for a minute and then opened them again. “Then say one to yourself. Don’t use no words to it. That’d be awright.”
“I got no God,” he said.
“You got a God. Don’t make no difference if you don’t know what he looks like.” The preacher bowed his head. She watched him apprehensively. And when he raised his head again she looked relieved. “That’s good,” she said. “That’s what I needed. Somebody close enough – to pray.”


Dedicado à minha amiga Regina.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

When you look at the Abyss...


Between what I think and what I say there is an abyss of jokes, retorts, declarations, speeches, rage, love, tears (of both love and rage), threats, excuses, lustful proposals, regrets and other unnamed feelings/thoughts that I cannot begin to fathom.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

I yam what I yam

Essa é uma música linda e sensual, cantada por uma mulher linda também:



Mas eu ainda prefiro essa versão aqui:


A forma pode ser diferente, mais les paroles sont toujours les même:
L'amour est un oiseau rebelle
que nul ne peut apprivoiser,
et c'est bien en vain qu'on l'appelle,
s'il lui convient de refuser.
Rien n'y fait, menace ou prière,
l'un parle bien, l'autre se tait:
Et c'est l'autre que je préfère,
Il n'a rien dit mais il me plaît.
L'amour! L'amour! L'amour! L'amour!

Carmen: L'amour est enfant de Bohême,
il n'a jamais, jamais connu de loi;
si tu ne m'aimes pas, je t'aime
si je t'aime, prends garde à toi! (Prends garde à toi!)
Si tu ne m’aimes pas,
Si tu ne m’aimes pas, je t’aime! (Prends garde à toi!)
Mais, si je t’aime,
Si je t’aime, prends garde à toi!

L'oiseau que tu croyais surprendre
battit de l'aile et s'envola ...
l'amour est loin, tu peux l'attendre;
tu ne l'attends plus, il est là!
Tout autour de toi, vite, vite,
il vient, s'en va, puis il revient ...
tu crois le tenir, il t'évite,
tu crois l'éviter, il te tient.
L'amour! L'amour! L'amour! L'amour!

Carmen: L'amour est enfant de Bohême,
il n'a jamais, jamais connu de loi;
si tu ne m'aimes pas, je t'aime
si je t'aime, prends garde à toi! (Prends garde à toi!)
Si tu ne m’aimes pas,
Si tu ne m’aimes pas, je t’aime! (Prends garde à toi!)
Mais, si je t’aime,
Si je t’aime, prends garde à toi!
Choir: L'amour est enfant de Bohême,
il n'a jamais, jamais connu de loi;
si tu ne m'aimes pas, je t'aime
si je t'aime, prends garde à toi! (Prends garde à toi!)
Carmen: Si tu ne m’aimes pas,
Si tu ne m’aimes pas, je t’aime! (Prends garde à toi!)
Mais, si je t’aime,
Si je t’aime, prends garde à toi!  

 O que? Vai dizer que vc não entende mimimês?  ;-)

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Um Gosto de framboesa

As ordens da madrugada
romperam por sobre os montes:
nosso caminho se alarga
sem campos verdes nem fontes.
Apenas o sol redondo
e alguma esmola de vento
quebram as formas do sono
com a idéia do movimento.

Vamos a passo e de longe;
entre nós dois anda o mundo,
com alguns mortos pelo fundo.
As aves trazem mentiras
de países sem sofrimento.
Por mais que alargue as pupilas,
mais minha dúvida aumento.

Também não pretendo nada
senão ir andando à toa,
como um número que se arma
e em seguida se esboroa,
- e cair no mesmo poço
de inércia e de esquecimento,
onde o fim do tempo soma
pedras, águas, pensamento.

Gosto da minha palavra
pelo sabor que lhe deste:
mesmo quando é linda, amarga
como qualquer fruto agreste.
Mesmo assim amarga, é tudo
que tenho, entre o sol e o vento:
meu vestido, minha música,
meu sonho e meu alimento.

Quando penso no teu rosto,
fecho os olhos de saudade;
tenho visto muita coisa,
menos a felicidade.
Soltam-se os meus dedos ristes,
dos sonhos claros que invento.
Nem aquilo que imagino
já me dá contentamento.

Como tudo sempre acaba,
oxalá seja bem cedo!
A esperança que falava
tem lábios brancos de medo.
O horizonte corta a vida
isento de tudo, isento…
Não há lágrima nem grito:
apenas consentimento.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Got Heart?

Penso que o Amor é como um despertador que não tem um botão de desliga. Uma vez que ele começa a tocar, só pára se for quebrado. Claro que enterrar ele bem fundo ajuda, assim como jogar no fundo do mar. Mas você sabe, assim como eu, que ele ainda está tocando. Mas tem uma boa notícia nisso: você pode ter quantos despertadores quanto quiser. Durma-se com um barulho desses. ;-)